Quem sou eu

Minha foto
Bom Jesus da Lapa, Bahia, Brazil
Professor, pedagogo e especialista em Educação (Psicopedagogia).
Obrigado pela visita!
Deixe seus comentários e volte sempre!

"Liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber" (Art. 205 da Constituição de 1988).


Arquivos do blog

O que você achou dos textos deste Blogger?

domingo, 3 de maio de 2015

33. Ê meu povo, vida de gado, segura aí que vem notícia ruim: Seca no nosso Nordeste...

Apesar das últimas chuvas (uma quase despedida), a maior parte concentrada, nosso Nordeste vem passando por uma seca prolongada, também desigual e desregular. Em alguns lugares, não chove praticamente faz 04 anos. A Paraíba é um exemplo, lugar onde fica, cada vez mais difícil, a vida do agricultor sertanejo. 

Sabemos que a seca faz parte do clima semi-árido nordestino. Normalmente chove durante 04 meses e os outros 08 sem chover. O problema é que nos últimos 04 anos (chuvas normais e abaixo da média histórica, com alta irregularidade) não tem chovido direito nesse 1/3 do ano, chamado de "estação das águas". Isso tem prejudicado mais as reservas hídricas e a agricultura da região. A consequência é que as reservas de água no subsolo não estão recuperadas, nem encheu os reservatórios.

A irregularidade das chuvas fez com que alguns estados ficassem em pior situação (veja no mapa quais são eles). Essa semana, o número de municípios nordestinos já em situação de emergência subiu de 659 para 862. De 2011 para cá, cerca de 7 milhões de animais morreram. Falta água e comida para alimentar os rebanhos, e seus donos também!

O pior é que a situação das "águas" vai até o final de maio agora, no máximo até o começo de junho (depois daí, não costuma chover mais nada no sertão do Nordeste - período normal de estiagem). A meteorologia avisa que até lá deve chover abaixo da média em toda a região que está sofrendo com essa seca (que já perdura braba há 04 anos). Assim, a situação que já é ruim pode ficar ainda pior até o final do ano! Logo, a hora de encontrar formas de auxílio e de agir é AGORA! O que fazer, meu Deus?

CRÍTICA Nº 15: Variação de preços dos produtos agrícolas nas Bolsas Internacionais, em abril:


32. Carne tipo Exportação: essa é para lá de especial...

Quando a carne não atinge o nível de qualidade exigido, a gente come!

O Brasil tem o 2º maior rebanho bovino do mundo! Só entre vacas de corte e de leite, são mais de 200 milhões de cabeças!!! Nossa produção de carne é de 10 milhões de toneladas por ano. 80% são consumidos no mercado interno (o restante é exportado para vários países). Só para a Europa vão 120 mil toneladas, um dos mercados mais exigentes. Eles pagam até 20% mais pelas carnes de alta qualidade. É um mercado muito disputado, por isso foi dividido em cotas (Cota Hilton), distribuídas entre vários países exportadores. A cota do Brasil é de 10 mil toneladas por ano. Mas, até hoje, não conseguimos exportar nem a metade da cota. O principal motivo são as barreiras estabelecidas para a carne brasileira.

E tem mais, os europeus só compram carne de machos, com menos de 30 meses de idade, pesando no mínimo 16 @ (@ = 15 Kg). Os animais têm que ser rastreados desde a desmama e engordados a pasto. Bois de confinamento não entram na Cota Hilton. O problema é que, nossas pastagens, na sua grande maioria, são de baixa qualidade (mesmo verde, a produtividade do capim é baixa, o que exigiria mais área por cabeça, 1 cabeça por hectare, com o capim fraco, o boi vai precisar de mais de 40 meses para atingir as 16 arrobas exigidas pelos europeus).

O trabalho exige alta tecnologia, manejo de pastagens, recursos naturais de qualidade, sem utilização de hormônios e antibióticos. É a Lei da exportação que pede e exige isso! O monitoramento é individual e total de cada cabeça do bicho. Apesar da boa oportunidade de mercado para as carnes especiais, somente 1.600 fazendas do país inteiro conseguiram se cadastrar para a disputar a Cota Hilton. Você estaria interessado em participar desse mercado? 

Os europeus já foram os principais importadores de carne bovina do Brasil. Hoje, estão em 5º lugar na lista de nossos clientes. O motivo principal são as exigências sanitárias e de manejo feitas por eles, principalmente para as carnes de alta qualidade.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

31. O Agronegócio Brasileiro...

Produção de alimentos, proteção da Natureza, geração de riquezas e paz... São alguns dos sonhos dos nossos trabalhadores do campo, pesquisadores e agricultores. Que eles se transformem em realidade. O Brasil agradece, e o Planeta também!  

Estamos hoje em 1º lugar na produção global de: soja, café, laranja, carne bovina, açúcar e etanol de cana de açúcar. Estamos também entre os maiores produtores do mundo de: frango, milho, porco, algodão e por aí afora.

As principais mudanças da nossa agropecuária brasileira durante as últimas 05 décadas: mudou o jeito de produzir, a tecnologia melhorou e com ela a produtividade das lavouras e criações se multiplicaram.
1.      A expansão das áreas de plantio;
2.      A devastação do cerrado;
3.      Novas tecnologias e mecanização;
4.      Mudança de perfil dos agricultores e trabalhadores do campo;
5.      A nova postura dos produtores em relação ao meio ambiente.

O Brasil se transformou em um dos países maiores produtores de alimentos do mundo! Um dos polos mais dinâmicos da agricultura do nosso país é Mato Grosso. Somando todas as cadeias produtivas, fazendas, agroindústrias e serviços o agronegócio brasileiro representa hoje nada menos que 23% da economia do país – um verdadeiro gigantismo da agricultura brasileira.

Como o Brasil, de agricultura tradicional, se transformou numa potência moderna do agronegócio? A agropecuária passou a ocupar maior espaço no país, ampliando sua área de produtividade (com forte crescimento na região Centro-Oeste).

A produção agrícola brasileira explodiu com a tecnologia. O salto de produtividade graças à tecnologia vem de uma agropecuária intensiva: menos área e maior produção.

O que mudou na relação entre agricultores e natureza? O que se pode esperar do nosso campo para os próximos 50 anos? Nas últimas décadas o Brasil rural consolidou uma rede de agroindústrias: a laranja passou a virar suco, o algodão atraiu indústrias de tecido, o eucalipto e o pino alavancaram a produção de papel e celulose. E mesmo as velhas usinas de cana que antes faziam apenas açúcar, passaram a fabricar também etanol e energia elétrica com o bagaço. Muitas agroindústrias foram atraídas pela produção de soja (beneficiamento da soja) que não vira apenas óleo, mas junto com o milho, farelo (para ração animal), o que gerou uma cadeia produtiva de frango.

Ao longo das últimas 05 décadas a produção de carne de porco e carne bovina se multiplicou x 5,5; e a produção comercial de frango se tornou x 700 maior. Hoje, as cadeias de boi, porco e frango produzem o suficiente para abastecer todo o mercado interno e a exportação cresceu muito. Em 1965 a agropecuária brasileira registrou exportações de US$ 1,3 bilhão. Hoje, os negócios com o exterior deram um salto e se multiplicaram por 10 x mais! O Brasil já é, hoje, um dos maiores exportadores de alimentos do mundo (e essa liderança só deve aumentar daqui para a frente)!

A população tende a crescer em regiões do planeta que não têm mais como elevar de maneira significativa sua produção de alimentos, principalmente a Ásia. E os países provedores terão que fortalecer sua posição. O Brasil quer ganhar ainda mais ganhos de eficiência e produtividade para fazer frente a essa demanda do mundo. A questão é: será possível alimentar o mundo com respeito ao meio ambiente? Estamos falando de queimadas, poluição de rios, contaminação de solos, emissão de gases na atmosfera, desmatamento...

O desafio para o futuro é produzir usando cada vez menos os recursos naturais (Natureza); muita ciência e tecnologia a serviço do coletivo e do meio ambiente; e que o nosso Nordeste se equipare ao Sul do país; que o emprego abra portas de oportunidades para todos; alimentar as famílias pelo mundo sem deixar morrer de fome as nossas famílias brasileiras; fortalecer nossa posição de provedores de alimentos, mas contribuindo para construir um mundo de paz...












quinta-feira, 23 de abril de 2015

30. Como deveria ser a vida nas cidades mais ricas do Brasil?

Da lista de 280 municípios com maior arrecadação por habitante do país, 200 deles estão com sérios problemas...

O que uma cidade precisa ter para os seus moradores viverem bem? Rede de esgoto, bons hospitais, boas escolas, asfalto, transporte de qualidade, casas confortáveis para todo mundo... Essa realidade não é comum por aí. Falta esgoto, atendimento médico, emprego e o mínimo de conforto... Nas cidades brasileiras com maior arrecadação por habitante o dinheiro dos impostos não se transforma em qualidade de vida para os moradores.

Como é que os municípios que têm as maiores arrecadações por habitante do Brasil chegaram a esse ponto?

Cada prefeito tem em média nacional, R$ 2.500 para gastar com cada habitante. Os municípios que lideram a arrecadação chegam a estar de sete a oito vezes acima dessa média! Veja no mapa quais são:

Vamos tomar o município de São Francisco do Conde, aqui na Bahia, como exemplo. 80% da arrecadação na cidade sai da Refinaria Landulpho Alves (petróleo). Só no ano passado, saíram de lá R$ 365 milhões, ou seja, R$ 1 milhão por dia para um município de 38 mil habitantes! Ou seja, a arrecadação por habitante está 5 vezes acima da média nacional, mas, mais da metade da população não tem sequer rede de esgoto e ¼ vive na miséria (11 mil pessoas). Sabe o que isso significa? Que nos últimos 10 anos todos os ex-prefeitos de lá foram indiciados por desvio de dinheiro público.




quarta-feira, 22 de abril de 2015

29. A energia que o país vai usar no futuro...

A Amazônia está num processo de urbanização muito acelerado – e eles não estão dispostos a pisar no freio não!
O Brasil vem investindo milhões de reais na Amazônia para isso (públicos e privados). Está prevista a criação de 92 represas nos próximos anos por lá (mapa 1). Qual será o impacto disso na vida das populações que tiram o sustento da grande floresta? Pois é... A Amazônia é o futuro do Brasil, ainda que mais da metade da população brasileira nunca tenha posto os pés por lá (inclusive eu). Estamos falando de estradas, hidroelétricas e muitos projetos de mineração (os principais focos de investimentos – mapa 2) que estão sugando a Amazônia para o funil da Economia brasileira. Nos próximos 06 anos a região receberá investimentos na ordem de R$ 100 bilhões que passará a fornecer ao Brasil itens estratégicos para a nossa economia: água, energia, minério, soja, carne e madeira.

Como uma fonte tão rica e abundante de recursos pode ser tão pobre, subdesenvolvida, com cidades precárias e infraestrutura muito aquém da sua importância estratégica para a economia e para o meio ambiente do Brasil e do mundo? Essa contradição faz com que cidades, onde apenas 15% da população têm esgoto.

A gente está com 73% e em breve chegaremos a 85% de pessoas morando nas cidades. Enquanto isso, para a Amazônia, resta a obrigação de produzir energia sem ganhar por sua comercialização. A Amazônia continua dando mais para o Brasil do que o Brasil para ela. No século XXI, ainda não percebemos que no casamento entre tradição e tecnologia o respeito ao passado é o melhor presente para o futuro. Não há nada mais moderno que o conhecimento tradicional produzido em rede e compartilhado.


domingo, 19 de abril de 2015

28. Cemitério Industrial...

Nossa capacidade de criação e inovação está deixando a desejar... Importamos o quebra-cabeça. O máximo que fazemos aqui é apenas montá-lo (e ainda com muita dificuldade). O pavor de um cemitério industrial...

O Brasil não tem mais fabricação de componentes eletrônicos (grosso modo), ou seja, importa tudo. O que ele tem são montadoras de celulares, de computadores e assim por diante (com componentes importados).

A consequência direta disso é que o nosso país perdeu a capacidade de competir lá fora (queda ou estagnação da competitividade nacional), mesmo com a desvalorização do real, pois está ficando para trás na corrida para exportar bens com alto conteúdo de tecnologia (os números mostram a fragilidades dos setores de média tecnologia: como máquinas, equipamentos elétricos e automóveis; e de alta tecnologia: como aviões e medicamentos). E mesmo em setores de baixa tecnologia, a indústria brasileira também enfrenta tempos bem difíceis.

Logo, a primeira tarefa deveria ser: colocar os nossos produtos no nível dos produtos que se vendem no mercado mundial. Ou seja, agregar as inovações já conhecidas e existentes. E isso não é fácil porque, enquanto ainda estamos tentando agregar aquilo que já é passado, eles estão avançando e criando novidades futuras. No tiro de partida, "eles" já estão muitos passos à frente. Por isso "ganham a corrida, antes mesmo da largada".


Crise Econômica afeta o setor de Serviços...

 O setor de Serviços representa 70% de tudo o que o país produz. Ele é essencial para a geração de empregos e na participação do PIB nacional. Houve recuo do segmento de transportes (-1,9%); com índice mais fraco no setor aéreo (-4,5%). Houve muita demissão no setor de máquinas e aparelhos eletrônicos e de comunicações e produtos de metal. Isso significa que estamos sentindo uma contração muito poderosa: impactos sobre emprego, o desemprego aumenta, sobe a formação de riqueza, as poupanças começam a serem usadas, as famílias preocupadas com os seus orçamentos e redução de dispêndios extras.  Grana mais curta e preços mais altos, menos consumo. 


sábado, 18 de abril de 2015

27. Cansaço Persistente ou a Síndrome da Fadiga Crônica...

98% dos brasileiros dizem cansados, cansados, cansados... Quase metade está na região Sudeste (a média de sono por noite dos paulistanos é de apenas 6h30min). A fadiga constante e permanente (06 meses até) é um pedido de socorro do organismo. Atinge duas vezes mais as mulheres...

Um problema que aflige 09 em cada 10 brasileiros. A maior parte de sensação de cansaço está no cérebro e não nos músculos. É um mal que não vem poupando nem os mais jovens. O sono ruim pode ser um dos maiores motivos. Alimentação saudável, um dos melhores remédios. Mas, também pode haver alguma doença escondida aí (centenas de doenças provocam processos inflamatórios pelo corpo e podem estar mascaradas pela fadiga: câncer, fibromialgia, anemia, hipotiroidismo, etc.). Por isso a investigação da fadiga deve começar com um exame de sangue. Exercícios físicos leves, de curta duração, são os mais eficientes para nos afastar desse problema - 10 a 40 minutos. O movimento dos músculos ativa a liberação de várias substâncias no cérebro, ligadas à vigília e ao bem-estar: endorfina, dopamina e noradrenalina. Outro neurotransmissor potente no aumento de energia é a Histamina. A fadiga é sinal de que alguma coisa está fora do equilíbrio. Outros dois vilões do cansaço é o sedentarismo e má alimentação. 02 em cada 03 mulheres se queixam de cansaço. As mulheres com a idade entre 20 e 29 anos são as maiores vítimas. 

O sono. Ah, o sono! Ou a falta dele... Guerra com o travesseiro!!!
- quem não dorme bem vai ter dor de cabeça, cansaço ou sonolência durante o dia, dificuldade de concentração, irritabilidade...
- apneia grave (respiração desacelerada, ausente ou interrompida, falta de ar) pode está associada a diabetes, hipertensão, maior risco de AVC e infarto;
- o sono reparador é como uma faxina no organismo: liberação de hormônios que eliminam toxinas e ajudam na recuperação dos tecidos;
- o excesso de carboidratos e de longos períodos na cama ou sofá é aliado do cansaço e do mau sono.

Quais as frutas, as raízes e as refeições ideias para quem está em busca de mais energia?
- peixe, 03 a 04 porções de frutas intercaladas ao dia, no mínimo; linhaça, banana, laranja, maçã, gengibre, açaí, carboidratos naturais (arroz integral, batata e mandioca)...

Quem são as maiores vítimas e quais as profissões mais estressantes para os homens e para as mulheres?
- o mercado financeiro (para os homens);
- o setor da saúde (para as mulheres).

O cansaço é a resposta de um organismo muito exigido. Se for excessivo deixa o sistema imunológico vulnerável. Causa o desequilíbrio energético nas células do corpo e permite a invasão de toxinas como a amônia - que vai desorganizar a resposta metabólica, desatendendo a demanda energética do organismo. A amônia impede o funcionamento energético ideal do organismo. Resultado: fadiga, indisposição, cansaço... Estes atingem a região do Hipotálamo e a Hipófise no cérebro, desregula os hormônios da fome, sono e estresse, como o cortisol. E quando estamos em desequilíbrio a sobrecarga de hormônios resulta em fadiga.

Perfil das vítimas da Fadiga:
O cansaço tira o colorido da vida, faz qualquer belo cenário perder a graça, ficamos em desarmonia com o mundo, interfere diretamente na qualidade de vida, deixa a saúde em desequilíbrio, fala baixo, arrastado e com dificuldade, gestos pausados,  letargia, não faz olho a olho, presenteísmo (as luzes estão acesas, mas não há ninguém em casa), desmotivação, insatisfação...

O grande cansaço é o das exigências, numa sociedade cada vez mais competitiva. É preciso aprender a colocar limites nas coisas e nas pessoas, talvez viver com menos dinheiro e sobrecarga e fazer mais aquilo que a gente realmente gosta - VIVER.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

26. Acidente químico & prejuízos ambientais incalculáveis...

Ultracargo, a empresa responsável pelo terminal de combustíveis que pegou fogo lá em Santos, foi multada em R$ 22,5 milhões por danos ambientais pelo incêndio que durou 9 dias. As empresas que alugam esses tanques para armazenar combustíveis e produtos químicos também poderão ser responsabilizadas pelo estrago. A água da lagoa ao redor foi contaminada por combustíveis e produtos químicos usados no combate às chamas – ficou com baixa taxa de oxigênio e temperatura elevada. Foram recolhidas 10 toneladas de peixes mortos e toda a área ao redor foi afetada diretamente. Toda a fauna que se alimenta desses peixes ou a eles estão ligados na cadeia alimentar será impactada.

A empresa deverá cumprir 05 exigências:

1.      Apresentar um plano de remoção dos produtos químicos que contaminaram o meio ambiente;
2.      Fazer o respaldo do incêndio sem poluir o ar e o solo;
3.      Apresentar um novo licenciamento ambiental;
4.      Revisar o plano de emergência e de gerenciamento de riscos;
5.      Monitorar e recuperar as áreas contaminadas.

Vejam nas fotos a vegetação antes e depois do incêndio: 




09 dias de fogo – um dos incêndios mais longos da história de SP. Empresa de armazenagem de produtos líquidos. 06 tanques foram atingidos: 02 de etanol e 04 de gasolina. Ao todo, eles tinham capacidade para armazenar 34 milhões de litros de combustível. 140 bombeiros trabalharam por 216 horas. Ainda não se sabe o que provocou o incêndio. Por que foi tão difícil controlar as chamas? Mistura de: Vapor do combustível + oxigênio (comburente) + fonte de calor = chamas. Os bombeiros usaram água do mar: 80 mil litros por minuto. Mais de 400 mil litros de líquido gerador de espuma foram levados de todas as partes do Brasil. 

terça-feira, 14 de abril de 2015

25. ENQUETE: O que as pessoas mais (e menos) observam nos rótulos e nas embalagens dos produtos que compram?

Aula de Química desafia os estudantes a aplicarem uma enquete e os resultados foram sintetizados em um gráfico de barras na lousa. Os dados mostraram que os consumidores se preocupam mais em observar a quantidade, o preço, a data de fabricação e a validade do produto. Mas, outras informações também muito importantes são relegadas, como os símbolos que aprecem, a tabela nutricional e esclarecimentos sobre o fabricante. 

Concluímos que o consumidor atento e consciente não pode deixar de observar tudo o que se informa sobre o produto, sob pena de adquirir e consumir ingredientes que venham comprometer a saúde da pessoa. Além do mais, não conhecer bem todas as informações contidas nos rótulos e nas embalagens, como a composição, modo de usar e conservar, entre outras, submete o consumidor ao risco de sérios acidentes com as suas fórmulas.